Alimentação animal. Desvio ou aproveitamento de recursos?

"86% do que os animais consumiram não era comestível para humanosl"

Data

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Alimentação animal. Desvio ou aproveitamento de recursos?

Nos últimos anos, tem crescido argumentação crítica à atividade pecuária, em que se afirma que os alimentos dados aos animais poderiam ser utilizados na alimentação humana. No entanto, quando se fala de alimentação alimental é importante destacar o seu papel no aproveitamento de recursos.

Em 2010, o sector pecuário consumiu 6 mil milhões de toneladas de alimento. As duas fontes principais foram erva e folhas (46%) e resíduos de culturas agrícolas, como diferentes tipos de palha e restolhos, cerca de 19%, do total. No que toca a produtos comestíveis para humanos, esta fatia representa cerca de 14% do que é consumido por animais, sendo 13% de cereais, ou seja, 86% do que os animais consumiram não era comestível para humanos, podendo assim considerar-se os animais uma excelente forma de converter produtos não comestíveis, em proteína de alta qualidade e rica em nutrientes essenciais à vida humana.

Olhando apenas para os ruminantes, que apresentam uma capacidade maior de aproveitamento de fibras mais pobres como folhas, erva, silagem e restolhos, estes representam cerca de 90% da alimentação dos animais, dependendo do sistema produtivo. E também, quando retirados do conjunto de todas as espécies pecuárias, os ruminantes consomem menos alimentos que poderiam ser destinados diretamente aos humanos, como cereais.

Autor: João Caçador – Engenheiro Zootécnico
Mottet, A., Global Food Security (2017), http://dx.doi.org/10.1016/j.gfs.2017.01.001