"É de realçar o trabalho que os formuladores de alimentos para animais e os produtores fazem, de forma a reaproveitar produtos que seriam deitados foras e não aproveitados."

Data

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Cinco produtos estranhos que os animais comem

Tendo em conta que a alimentação é a maior despesa de uma exploração pecuária, é de realçar o trabalho que os formuladores de alimentos para animais e os produtores fazem, de forma a reaproveitar produtos que seriam deitados foras e não aproveitados, para conseguirem alimentar os seus animais de maneira mais barata e igualmente segura e completa, do que utilizando matérias-primas produzidas apenas para alimentar os animais. 

Segue então uma listagem de cinco produtos utilizados na alimentação de vacas e/ou ruminantes: 

1. Restos da industria de panificação: produtos que estejam fora do prazo recomendado para consumo humano, ou que já não estejam apelativos à compra (partidos ou danificados), podem ser introduzidos nas dietas, depois de tratados, sendo uma fonte de energia barata para os animais, beneficiando os industriais da panificação, que vendem algo que já não seria vendido para o consumidor final e beneficiam o produtor, que consegue assim um aporte energético para os animais, por um preço mais baixo. 

2. Subprodutos da indústria alimentar: bagaço de soja ou de trigo (subproduto após a extração de óleos), farelo de soja ou de milho (subproduto da produção de farinhas), polpa de citrinos (subproduto da produção de sumos naturais) entre outros produtos, permitem às indústrias alimentares obterem uma fonte de rendimento extra, pois os animais podem aproveitar estes produtos, com alto valor nutricional, para serem incorporados nas suas alimentações. 

3. Subprodutos de produção agrícola: os ruminantes permitem aos produtores agrícola obterem mais rendimento através de uma cultura agrícola, ao aproveitar os restolhos que ficam depois das colheitas, que não tem valor nutricional para os humanos, mas que conseguem ser digeridos pelos animais, conseguindo aproveitar bem os nutrientes e evitando que os restos de muitas culturas agrícolas como o milho fiquem por aproveitar.  

4. Transformar terra sem capacidade agrícola em proteína alimentar: através da grande capacidade de se alimentarem de pastagem e forragem, os animais, em particular os ruminantes, permitem um grande aproveitamento de terras sem capacidade para culturas agrícolas, mas com capacidade para culturas forrageiras e pastagens, que não necessitam de solos tão férteis. 

5. Produtos a começar a deteriorar: alguns produtos, como abóboras, batatas, ou laranjas, quando se começam a deteriorar, podem ser usados, até certo ponto, na alimentação de animais, em particular vacas, que devido ao seu estômago de quatro compartimentos e população microbiana do sistema digestivo. Evitando o desperdício de comida e ajudando a manter estes produtos na cadeia alimentar. 

Autor: João Caçador – Engenheiro Zootécnico
Jenkins, K. H. (Junho de 2021). Weird things cattle eat and it is perfectly OK. Obtido de University of Nebraska-Lincoln: https://extension.unl.edu/statewide/scottsbluff-morrill/weird-things-cattle-eat-and-it-is-perfectly-ok/

Outros artigos